5 de dez de 2010

Rabiscos

Nossas noites.

É noite,
brisa morna de primavera,
espalha no ar aroma sutil.
A luz do luar invade o nosso quarto,
como testemunha do nosso amor.
Minha pele suave e perfumada,
de encontro a seu corpo
fechos os olhos, um toque suave...
Tenho você ao meu alcance
sinto o sabor de teu beijo
o calor de  teu corpo,
junto ao meu.
Tuas mãos, inquietas,
deslizam pelo meu corpo
acariciando-o com ternura!
Despida de meus pudores,
entrego-me aos carinhos teus,
faco meus os teus desejos,
E neste bailado de corpos amantes
sou tua és meu...

Terê Carvalho

20 de nov de 2010

Paixão & O nosso amor

Paixão

Viver uma paixão, intensamente,
É sentirmos a mente alucinada;
E ter coragem p’ra seguir em frente,
Mesmo sendo fatal a caminhada!...


É viver junto de um vulcão ardente
Sem recear a lava derramada;
É ver a nossa alma incandescente
A pairar numa nuvem, desvairada!


Uma paixão, narcótica loucura,
Que nos turva o olhar, a compostura,
E que nos faz vibrar num desatino!


Mas mesmo que pareça insanidade
Ainda é o que dá à humanidade
O toque fascinante do Divino


 João Manuel Oliveira.

****

O nosso amor

Viver esse nosso louco amor,
que  alucina a mente, é desvairio
mesmo assim, seguimos em frente
sabendo, que será fatal!...

Tal qual, chama acesa,
incendiamos tudo a nossa frente,
com nosso amor incandescente,
que com  intensidade nos faz vibrar,

E como Deuses,  de nossa loucura,
perdemos a compostura,
 nos entregando ao desatino.

De chegar quase ao divino...
quando nos entregamos,
ao prazer de amar...

Terê Carvalho.

3 de nov de 2010

Mulher quando ama


Mulher quando ama...

Uma aura paira indelével
    por sobre a mulher que ama.
    Traz no semblante a paz,
    o sublime encantamento
    do ser quando apaixonado.


    Mas quando a mulher ama,
    a cada infinitésimo segundo
    sente vibrar cada fibra de seu corpo...
    Há volúpia no brilho dos  seus olhos
    ao pensar na presença do ser amado.


    Entrega-se ao amor  em desatino.
    Perde a lógica, esquece a razão,
    tudo gira qual densa neblina
    que penetra por todos os poros,
    acelerando as batidas do coração...


    E no encontro de seres entrelaçados,
    unidos no ardor da paixão
    com rodopios alucinados,
    em delírios de corpos suados,
    um só corpo, um só coração.

    Luís Carlos Mordegane
    
http://www.mordegane.com.br/

Quem sou eu ?


Eu
Eu sou quem esperou a vida inteira
a chegada de alguém que está distante;
sou, de um barco de sonhos passageira
e, de estradas de quimeras, viandante.

Você
Você é a esperança renascida
pôr-do-sol de uma vida já vivida,
crença que Deus existe e é só amor,
embora haja no mundo tanta dor.

Nós
somos tal qual uma palmeira esguia
que vai crescendo com toda a alegria,
tendo a certeza de que ao céu vai chegar.

Mas...
se o vento a balança, usando a ironia,
mostra ao destino que tem a ousadia
de entrar em combate e saber lutar!

Júlia Fernandes Heimann


24 de out de 2010

Recordações


Nesta noite fria de inverno
Minhas mãos te procuram em vão
No vazio da minha cama
Já faz tanto tempo que você se foi
Mas ainda sinto o calor
De seu corpo junto do meu
Parece loucura
Mas se fechar meus olhos
Posso sentir teu cheiro
E ouvir a tua respiração
Quando nos conhecemos
Não tivemos medo
De viver esse amor pleno louco
O desejo de amar foi mais forte
E juntos aprendemos
As lições da vida e do coração
Sim, sinto saudade
Do tempo que passou
De momentos que jamais
Voltarão a existir novamente
Saudade da nossa cumplicidade
Do carinho sincero, do jeito de amar
Quando fazias de cada dia e cada noite
Um instante mágico
Levando-me a sonhar
Seduzia-me falando de amor
Olhando nos meus olhos
E me fazendo sentir no paraíso
Hoje no silêncio da noite
Eu só queria ter você
Mas o que tenho é o vazio
Da distancia de quem vive a saudade...

Terê Carvalho.

16 de out de 2010

Recomeçar

                        
Recomeçar.

Na escuridão de meu quarto

Hoje mais que nunca

A solidão foi minha companheira

Sinto falta de carinho, um aconchego

Uma saudade enorme me aperta o coração

Lagrimas, escorrem pelo meu rosto

Como se quisesse fazer

Uma limpeza na minha alma

Lá fora a chuva cai forte

Como se comigo fosse solidária

Depois de algum tempo o choro cessa

A chuva se acalma, as nuvens se afastam

E o céu volta a ficar estrelado

Já é madrugada quase raiar do dia

Tomo uma decisão, vou recomeçar

Quero amar e ser amada

Aproveitar o tempo que ainda me resta

Ser feliz outra vez.

Terê Carvalho

6 de out de 2010

Sementes

Nesta estrada chamada vida
por muitos caminhos andei,
espalhei sementes ao vento
nos lugares que passei.

Em terra fértil de sonhos,
como boa jardineira,
sementes de amor plantei
em planalto e ribanceira.

Hoje, olhando para trás
vejo um imenso jardim
que recordações me traz
no perfume do jasmim.

Há lindas rosas perfumadas,
em seus espinhos já me feri,
e mesmo sendo machucada,
muitas flores eu colhi.

Há, também, flores do campo
que, enfeitando meu caminho,
me alegram e me encantam,
transmitindo seu carinho.

Continuarei sementes a espalhar
pois quando daqui eu partir
comigo só vou levar
o que pude repartir.

Terê Carvalho